08/07/2017

Para sair da crise, Belluzzo defende fundo para obras de infraestrutura em debate na Bahia

Fotos: Reprodução/Fernando Udo
O professor Luiz Gonzaga Belluzzo, um dos economistas mais respeitados do país, defendeu, nesta sexta-feira (7), a criação de um fundo para melhorar a infraestrutura brasileira, gerando emprego e reativando a indústria nacional. “O Brasil precisa pegar as reservas financeiras que possui, cerca de 370 bilhões de dólares, e criar um fundo para investir em infraestrutura. Assim vai maximizar emprego e fortalecer a indústria. Só assim saímos da crise”, afirmou. A defesa foi feita no auditório lotado da Fieb, em Salvador, em evento promovido pelo deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB). Após a palestra de Belluzzo, que explicou as origens da crise econômica e apontou caminhos para o desenvolvimento nacional, seguiu-se um debate sobre o tema com contribuições do ex-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico (SDE), Jaques Wagner, do reitor da Ufba, João Carlos Salles, do presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon), Gustavo Pessoti, do presidente da CTB, Adilson Araújo e da presidenta da UNE, Marianna Dias. Entre os debatedores, houve um consenso: as reformas propostas pelo governo Temer não ajudam o país a sair da crise econômica, elas apenas dificultam a vida dos mais pobres. Davidson, que também é economista, foi além, apontando que o governo despreza a indústria brasileira. “Eles (do governo) dizem que não precisa de política de industrialização. Isso não existe, é só olhar qualquer país desenvolvido e ver que existe uma indústria forte, apoiada pelo governo”, alerta o deputado. O outro economista da mesa, Gustavo Pessoti, defendeu ideia semelhante à de Belluzzo para a saída da crise, contrariando a política atual de cortes públicos. “Tem que entender que é preciso aumentar o gasto público”, disse demonstrando que, justamente por compreender isso, o governo Lula foi tão bem na economia. “É a inclusão social que aumenta o consumo e aquece a economia”, decretou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário