04/06/2017

Desligamento de funcionários do projeto Viver preocupa vítimas de abuso sexual na Bahia

Desligamento de funcionários do projeto Viver preocupa vítimas de abuso sexual na Bahia

A redução no quadro de assistentes do projeto Viver, do Governo da Bahia, causou preocupação entre mães e familiares de crianças vítimas de abuso sexual. O projeto é da Secretaria Estadual de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), que desligou funcionários – contratados na modalidade de Regime Especial de Direito Administrativo (Reda) – após o vencimento do prazo do contrato, sem substituição do pessoal desligado.  A psicóloga Selma Evangelista é uma das funcionárias que deixou o projeto após o vencimento do contrato, no dia 25 de abril. Ela explica que o Projeto Viver é o único, no estado, a atender vítimas de violência sexual de qualquer gênero e idade, de forma exclusiva e multidisciplinar, há 15 anos.  “Entendemos que a violência sexual, na grande maioria dos casos é um fenômeno dentro de um contexto da estrutura familiar ou no círculo de amizades. Os casos têm características específicas, além da violência, na qual há uma ruptura de contexto. A gente se depara com pessoas e suas histórias, com familiares também surpresos e em choque pela ação praticada por pessoas do convívio, que deveriam proteger crianças, por exemplo”, relata a psicóloga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário